Você sabia? SEST SENAT oferece diversos cursos na área de transporte, à distância e de graça!

Rafael Facundo ₢ 2018 / SEST SENAT

Com o desemprego em alta e exigências cada vez maiores de conhecimento para o preenchimento de vagas, aperfeiçoar sua qualificação é visto como um diferencial pelo mercado de trabalho. E para quem quer ingressar na área do transporte, ou já atua no segmento, uma dica é a nova plataforma de Ensino à Distância (EAD) do Serviço Social do Transporte (SEST) e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT) .

Lançada no último dia 1° de maio, a plataforma oferece mais de 200 cursos online, gratuitos para quem já trabalha no segmento do transporte. E o melhor: promocionalmente, até 31 de maio, todos os cursos serão disponibilizados gratuitamente, inclusive para quem não está inserido no segmento do transporte.

Entre os cursos mais procurados na primeira semana de lançamento da plataforma online estão Administração de Pessoas; Comunicação Interpessoal e Atendimento ao Cliente; 5S no Escritório; Desenvolvimento de Lideranças e; Desbravando o Excel – Passos Iniciais.

Se você deseja ingressar no segmento do transporte, separamos para você dez cursos que abordam a rotina das empresas do segmento. Escolha aqueles que você mais tem interesse em se aperfeiçoar, e boa sorte:

  1. Conhecendo o Código de Trânsito Brasileiro – CTB
  2. Conhecendo o Transporte de Cargas e de Passageiros
  3. Comportamento Humano e Segurança no Trânsito
  4. Empregabilidade e Valorização do Motorista Profissional
  5. Cidadania no Transporte de Passageiros
  6. Excelência Profissional para Motoristas
  7. Administração de Garagens
  8. Como Gerenciar Oficinas Mecânicas
  9. Administração de Terminais Rodoviários
  10. Conhecimentos Básicos de Fiscal de Transporte Urbano

Quer conhecer todos os cursos que a plataforma oferece? Então acesse o site ead.sestsenat.org.br e confira!

Com informações do SEST SENAT

Se você tinha dúvidas ainda: intenção da Uber é concorrer com o transporte público

O site Jalopnik, referência mundial em conteúdo para o automobilismo, publicou na última sexta um artigo de Aaron Gordon abordando a apresentação da Uber em sua IPO (oferta pública inicial de ações, quando a empresa manifesta a intenção de abrir seu capital para novos investidores).

O articulista aponta algo que já era alvo de desconfiança de muitos especialistas no tema, confirmado nos documentos apresentados na IPO: de que a Uber tem sim como alvo o transporte público de massa, sendo este um obstáculo ao crescimento de seu modelo de negócio – que, diga-se, já atingiu a marca de 1 bilhão de dólares em 2018 somente no Brasil, seu segundo maior mercado.

Até então, o posicionamento da Uber para o público é de ser uma alternativa aos gargalos existentes no transporte público, especialmente nos deslocamentos entre o transporte de massa e a residência ou trabalho de seus passageiros, bem como uma opção para que o transporte individual seja menos adotado.

Mas… um trecho do documento apresentado na IPO – documento público que demonstra as intenções da Uber a seus potenciais acionistas – deixa clara a intenção de que as viagens “ridesharing”, como o Uber Pool (no Brasil, denominado Uber Juntos) podem crescer ainda mais, fazendo frente ao transporte público a partir de iniciativas como o Uber BUS (lançado no final de 2018 em Cairo, no Egito) e Uber Express Pool (disponível nos Estados Unidos)

Acesse o artigo original da Jalopnik, em inglês, aqui. E a manifestação da Uber visando a oferta pública de suas ações, aqui, também em inglês.

E o que você, que atua no segmento do transporte público no Brasil, tem a ver com tudo isso?

Uma das táticas massivas adotadas pela Uber para angariar novos clientes é a da publicidade em serviços de roteirização. Nelas, a Uber indica uma estimativa de valor para o planejamento de uma rota entre dois pontos, levando este potencial cliente para seu aplicativo. Diversas grandes cidades brasileiras possuem suas informações do transporte público nestes serviços, como Google Maps e Moovit. Porém, outras várias cidades não estão presentes. A Uber e seu principal concorrente no Brasil, a 99, estão lá.

Marcando presença nestes serviços, sua operação estará ao alcance daqueles que utilizam os aplicativos referência para deslocamentos, permitindo um comparativo de tempo, distância e custos com outros modais – como o veículo próprio. Compartilhando suas informações operacionais nestes serviços, você também estará facilitando o acesso dos seus habituais clientes, e de potenciais novos usuários, a saber que ônibus ele precisa utilizar para ir de um ponto a outro; quanto tempo falta para que este ônibus chegue no ponto mais próximo de sua casa, ou ainda que custo este deslocamento terá.

A própria Uber, recentemente, adotou a estratégia de incorporar em seu aplicativo as informações dos modais de transporte público em determinadas cidades dos Estados Unidos, com o objetivo de mostrar ao usuário de seu aplicativo em que situações o transporte público é mais vantajoso do que o seu modelo de negócio. Nada impede que este mesmo modelo de negócio seja replicado no Brasil, considerando a importância deste em números para a Uber.

Mesmo que a sua escolha seja pelo aplicativo próprio, fidelizado com sua marca, a presença em serviços de roteirização como o Google Maps é vital para que seu negócio esteja ao alcance de seus clientes, sejam eles habituais ou novos em potencial. A Mobilibus tem larga experiência neste segmento. É atualmente a maior integradora de informações do transporte público na América Latina, e vem acompanhando de longa data as melhores tendências em tecnologia de informação ao usuário do transporte público.

Entre em contato conosco, seja você um operador ou um órgão gestor de mobilidade urbana, e solicite uma apresentação de nossas soluções – aplicativos personalizados, integração com outros fornecedores e agilidade na atualização das informações estão entre as vantagens de ter a Mobilibus aliada à sua operação.

GTFS: o que é, e como ele pode ser útil para sua gestão

Quatro letras, e um significado desconhecido ainda para boa parte dos órgãos gestores relacionados com a mobilidade urbana no Brasil. O GTFS, sigla que vem das iniciais de General Transit Feed Specification – em português, Especificação Geral de Feeds de Transporte Público – é a linguagem mais utilizada para a exibição de informações do transporte no mundo.

Elaborada há mais de dez anos em parceria da Google com a agência de trânsito de Portland, a TriMet, os parâmetros do GTFS refletem as informações de localização de pontos de parada, traçados, grades horárias e tarifas, permitindo uma visão completa de qualquer operação, independente do modal – o padrão é compatível com linhas de ônibus, trens, metrôs, teleféricos, barcas, entre outros.

Como você, gestor, utilizará estas informações?

Com estes dados, prefeituras e operadoras possuem em mãos todas as informações necessárias para melhor informar o usuário dos sistemas de transporte – seja através de serviços de roteirização, como o Google Maps; aplicativos como o Moovit, ou; ferramentas próprias disponibilizadas em seu site.

Além disso, ter uma base de dados em GTFS serve como fonte de informações para auxiliar em ajustes nos sistemas de transporte, como racionalização de linhas sobrepostas, integração de modais ou linhas, e ainda, facilitar o processo de elaboração do Plano de Mobilidade Urbana nas questões relacionadas ao transporte público.

Municípios com mais de 20 mil habitantes, por lei, devem possuir um Plano Diretor de Mobilidade Urbana, e três mil municípios no Brasil se enquadram nesta situação. Grande parte destes encontra dificuldades financeiras para manter o básico da administração, o que pode atrapalhar a elaboração do plano.

A aquisição de sistemas de georreferenciamento – essenciais para a criação da base de dados do transporte público, um dos itens exigidos na concepção dos planos diretores de Mobilidade Urbana – pode se tornar onerosa para os cofres públicos, especialmente em cidades menores.

Como a Mobilibus pode te ajudar?

Somos líderes na América Latina em integrar informações do transporte público, atendendo mais de cem cidades no Brasil e no exterior. Nossa ferramenta de criação e manutenção de dados em GTFS é hospedada na nuvem, com fácil acesso em qualquer computador conectado à internet, e o investimento é proporcional ao porte de nosso cliente.

Em nosso sistema é realizado o armazenamento e a manutenção das informações do transporte público, inclusive com possibilidade de importar informações já existentes. Todo o processo é visual – aquilo que você adiciona ao mapa é a informação que será convertida para codificação no padrão GTFS. Depois, basta manter as informações atualizadas, e assim poderá visualizá-las em diversos relatórios ou exportar estes dados no formato que desejar.

Entre em contato conosco e solicite maiores informações sobre como nossa ferramenta de edição de dados na linguagem de informações do transporte público mais utilizada no mundo pode fazer a diferença para o futuro do seu município.